• Maringa.com no Facebook
  • Maringa.com no Twitter
  • Maringa.com no Google+

Idéias

Traje completo
22/11/2006

A cidade transpirava sob um calor de quase quarenta graus e ansiava por água fresca e descanso.

Os veículos se arrastavam no trânsito congestionado.

Se o velho Deus, cansado e míope, olhasse lá das alturas, veria uma grande cobra coral movendo-se lentamente pelos trilhos invisíveis do entardecer.

Gente indo a lugar nenhum; gente voltando de lugar algum.

-         Que merda de trânsito! Que merda!

Era Marina, resmungando dentro do carro.

Olhava as horas no relógio de pulso. Um belo e inútil relógio. Marcava as horas, mas, não movia o carro e nem aliviava a tensão.

Suas inúmeras atividades a estavam consumindo.

Resolvera doar uma empresa importante para o irmão, que se encontrava numa difícil situação financeira.

Seus ganhos diminuiriam, mas, ainda assim, ficaria numa posição extremamente confortável e teria tempo para cuidar de si mesma.

Sentia que a sua saúde andava abalada.

Estava realmente exausta!

Carlos não aprovara a doação.

Seu irmão é um irresponsável! Em pouco tempo vai levar a empresa à falência! – dizia ele.

Carlos! Era um bom marido. Ganancioso, mas, um bom marido!

O celular tocou.

-         Marina! Onde você está? Querida, estamos atrasados!

-         Oi, Carlos! Estou presa neste trânsito miserável!

-         Deixei o seu traje completo em cima da cama.

-         Que traje?

-         Eu escolhi aquele vestido vermelho, com renda francesa, amor.

-         Querido! Fez a escolha certa!

-         Eu sei, amor. É a sua cor predileta, e você fica maravilhosa!

-         Obrigada, Carlos. Logo que me livrar deste trânsito maldito eu chego em casa.

Desligou o celular.

Estava muito cansada e ainda precisava atender aos compromissos sociais da noite.

Esmurrou a direção.

Sentiu que a ansiedade estava a um passo da loucura.

Traje completo!

A palavras atingiram o seu consciente como um raio fulminante.

Traje completo. Não coloque o traje completo. Traje completo...traje completo...

Mas, o que significava aquilo?

-         Que bobagem! Perder tempo com frases idiotas! Minha vida já é um grande pesadelo! Não preciso criar mais um. Quero chegar logo em casa. Trânsito do inferno! Cidade do inferno!

O sinaleiro arregalou seus grandes olhos verdes, e, finalmente, a imensa cobra coral se moveu, arrastando consigo todos os carros, todas as angústias e todos os medos.

O prédio imponente estava silencioso, como convém a um condomínio de luxo.

A garagem abriu-se numa grande fenda, engolindo o carro e o mau humor de Marina.

O elevador panorâmico e elegante aspirou os restos do dia, transportando a mulher num vôo silencioso e rápido.

Finalmente, ela estava em casa.

-         Até que enfim, Marina! Você sabe que este jantar é muito importante pra mim.

-         Sim, eu sei. E como sei! Faz dias que você não fala em outra coisa.

-         Não vamos brigar, amor! Tome seu banho e coloque o vestido vermelho. Você fica linda dentro dele.

Marina entrou no banheiro e trancou a porta.

Abriu as torneiras do chuveiro, tirou a roupa lentamente e sentiu o frescor da água sobre o seu corpo cansado.

Esqueceu-se do dia, esqueceu-se do trânsito, esqueceu-se do jantar.

E quando escutou as pancadas fortes na porta, assustou-se.

-         Marina! Pelo amor de Deus! Estamos atrasados! Vista-se, querida!

Ela avistou o vestido vermelho sobre a cama.

Traje completo...traje completo...

Em minutos, estava pronta.

E quando apareceu na sala, vestida com o traje preto, Carlos demonstrou irritação.

-         Marina! Eu escolhi o vestido vermelho. Quero que todos notem a sua beleza, querida! Troque a roupa, por favor.

-         Desculpe, Carlos, mas, vou com o vestido preto. É mais discreto e adequado para a ocasião.

Do alto da sua terceira dose de uísque, ele parecia um bêbado teimoso, insistindo naquela idéia quase infantil.

-         Querida! Prefiro o vermelho!

-         Eu prefiro o preto, Carlos. E vamos logo!

O percurso foi feito em silêncio.

Marina conhecia muito bem o humor instável do marido.

E quando este humor era regado a uísque, o melhor a fazer era manter um mutismo absoluto, para não gerar faíscas naquele terreno altamente inflamável.

O jantar elegante transcorria sereno.

Marina estava alegre e um bem estar inexplicável pairava sobre ela.

Nem as conversas fúteis a estavam aborrecendo.

-         Marina! Como você está linda!

-         Obrigada, Rebeca. Você também está. Este seu vestido é deslumbrante. Adoro vermelho!

-         Eu comprei um vestido preto para este jantar. Mas, na última hora, resolvi colocar o vermelho.

-         Que coisa! Eu vinha com um vestido vermelho, e me decidi pelo preto depois do banho.

As duas amigas riram.

Mas, as risadas foram cortadas por um zumbido esquisito.

Rebeca caiu, atingida por um tiro.

O sangue vermelho misturou-se ao vermelho do vestido.

Abraçada à amiga morta, Marina encontrou, em meio àquela multidão de olhos assustados, o implacável olhar de Carlos.

 

Valéria Nogueira Eik

 

Voltar

CLASSIFICADOS MARINGÁ.COM



Central Hipath 3800 Si...
- Vendas e Assistência Tecnica Siemens Unify - Centrais Telefônic...
R$ 0,00


***FUSION 2007 PLAC A ...
Vendo Fusion 2.3 Sel 2007 Completo, Placa ´’A’’,prata, 4 portas. **...
R$ 27.800,00


DUO SAT, TOCOM SAT, AZ...
SEM ANTENA SOMENTE INTERNET. HTV 5 HD SEM ANTENA 172 CANAIS, MAIS D...
R$ 620,00


PROMOÇÃO APARTAMENTO ...
BÔNUS na entrada de 5 mil ! DESCONTO de 3 mil no valor do Imóvel ! Do...
R$ 155,00


NEGÓCIO FECHADO
Vendo direitos terreno em Floresta - Pr parcelas de 619,00 terreno in...
R$ 23.900,00


CLASSIFICADOS GRÁTIS